Fábio St Rios

Estudou Ciência da Computação, Engenharia Metalúrgica na UFF, Engenheiro de Software, Desenvolvedor, Programador, Hacketivista e Estudante de História na UniRio.

16 comentários em “Quadrinhos da Mafalda e textos críticos podem ter levado à censura de livro didático “Português e linguagens” de William Cereja.

  • 11/09/2019 em 10:58
    Permalink

    A censura dos livros didáticos é um retrocesso gigante por parte do governo. Privar o exercício da reflexão dos alunos não é nada aprovável.

    Resposta
  • 11/09/2019 em 10:58
    Permalink

    Em meu conhecimento as críticas feitas pelos quadrinhos da mafalda são extremamente necessária para o entendimento da linguagem portuguesas. A censura deste material é completamente desvantajosos para a sociedade brasileira.

    Resposta
  • 11/09/2019 em 10:59
    Permalink

    Mafalda é um clássico das provas de Língua Portuguesa. Traz temas relevantes à sociedade e nos faz pensar. Tentar censurar um livro didático por conta desses quadrinhos, ignorando totalmente o conteúdo que o livro traz para o ensino do conteúdo, é lastimável. Nossos ideais nem sempre são iguais aos dos outros mas temos de respeitar e não tentar impedir que os outros possam ter opiniões diferentes das nossas. A democracia se faz por meio dos diferentes pontos de vista, baseada na liberdade de expressão que, teoricamente, nos é garantida.

    Resposta
  • 11/09/2019 em 11:00
    Permalink

    No meu entendimento os quadrinhos da Mafalda é um dos fatores que demostra a maior relação entres a linguagem e as críticas a sociedade, e que gera sem sombra de dúvidas uma maior aprendizagem por parte dos alunos.
    Outro ponto que deve ser destacado é a padronização dos livros didáticos, que não é benéfica para as escolas publicas, pois não irá gerar uma maior diversidade de pensamentos.

    Resposta
  • 12/09/2019 em 10:25
    Permalink

    Em minha visão, a tentativa de censura destes livros foi um grande erro por parte dos responsáveis, já que o Cerejo produz livros de alta qualidade, sendo que uma dúvida que ainda perpétua o assunto é o porque da proibição apenas para as escolas públicas e não para as particulares também.

    Resposta

Deixe uma resposta para Otávio Silva Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
%d blogueiros gostam disto: