Cristina Kirchner se elege senadora na Argentina.

Diferente do que ocorreu aqui no Brasil, a direita Argentina, liderada pelo presidente Maurício Macri, chegou ao poder nas eleições passadas pelo voto, o que marcou um período de forte ascensão conservadora na América do Sul. Agora, se verifica a permanência da direita, ainda majoritária porém, incapaz de levar a cabo a continuidade de ascensão.


Na Argentina, o Senado elege 3 representantes por província a cada eleição. Cristina concorreu pela província de Buenos Aires e foi eleita em segundo lugar, muito próxima do primeiro. Veja:

  • Esteban Bullrich (Cambiemos): 41,37%
  • Cristiana Kirchner (Unidas): 37,25%

Com a apuração em 98,92%, o resultado está praticamente consolidado.

Cristina, assim como as lideranças de esquerda no Brasil, sofre forte perseguição da mídia e do judiciário. É uma estratégia compartilhada pelas aristocracias sul-americanas, por lá, fica mais complicada a vitória do discurso de perseguição, dado que não houve uma ruptura constitucional, como aqui. Mesmo assim, a ex-presidente argentina consolidou seu nome e mostrou ser o único nome forte, ainda, na esquerda portenha.

Leia Também:   Golpe na África: Zimbábue tem as ruas tomadas por tropas do exército.

Embora o partido de Macri, o Cambiemos, tenha se saído vitorioso do pleito, formando maioria na Câmara, o resultado não foi suficiente para formar um “rolo compressor”, portanto, incapaz de alterar a constituição.

  • Cambiemos: 42,2% cresceu 4,8%
  • Unidad: 30,7% decresceu 2,77%
  • Vencemos: 6,1% decresceu 1,9%
  • Frente Trabalhadora Socialista: 5,9% decresceu 0,1%
  • Justicialistas: 5,7% decresceu 0,3%

É importante ressaltar, que as eleições parlamentares na Argentina não são coincidentes com as eleições do executivo. Essa é a primeira eleição parlamentar com Maurício Macri no poder, o que seria natural o seu crescimento. Mesmo assim, não formaram maioria absoluta.

Outro fato triste, mas importante, é a eleição de Carlos Menem, uma espécie de FHC muito piorado, eleito para o Senado, pelo estado de Lá Rioja.

Leia Também:   GOLPE MILITAR NA AFRICA: Presidente do Zimbábue está confinado.

Fábio St Rios

Cientista da Computação, Engenheiro de Software, Programador Senior, Profissional da Segurança de Dados e Estudante de História.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco − 2 =

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com