Moro foi de herói a nauseabundo

Moro foi de herói a nauseabundo

Compartilhe

A mídia nativa, hoje, é ex-lavajatista, à exceção do seu último fio de cabelo, para ser mais preciso, o fio de cabelo da juíza Gabriela Hardt, que tem como prova contra Lula a troca de dois pedalinhos, uma horta e uma reforma meia boca no muro, na cozinha e no quartinho dos fundos por uma obra bilionária na Petrobras.

A outra prova que ela tem é a de que o caseiro Maradona enviou um email para o Instituto Lula dizendo que o gambá comeu a galinha.

Depois disso, a mídia não tem mais nada e talvez apele até para Roberto Jefferson ou qualquer lixo do gênero, mas Moro não, aí já é demais. Moro se tornou de fato tóxico, fedorento e contagioso, tipo Bolsonaro para o planeta.

Aliás, essas duas figuras realmente se merecem. Não foi por acaso que fizeram uma parceria imunda para prender Lula e tomar de assalto o poder.

Moro, hoje, para a mídia, transformou-se em algo repulsivo, que causa náuseas e vômitos, justamente porque a mídia sente o cheiro de si própria, um engulho saído do bueiro das próprias redações.

Moro não serve mais para ser um bandido de estimação, seguindo a tradição da mídia de abraçar figuras da história da República que, dependendo do contexto, ela defendia.

Agora, não há exatamente uma revolta contra Moro pelo que já se descobriu dele através do vazamento das mensagens, mas por ele ter se deixado descobrir, não sabendo remover as conversas reveladas pelo hacker e disseminadas aos quatro cantos.

É disso que se trata, é daí que vem a raiva que a mídia tem de Moro, por ele ter deixado escapar algo que estava encoberto e totalmente ignorado pela sociedade. Agora, depois que foi levantado o manto que cobria o herói vigarista, patenteado pela mídia, a mesma quer distância da própria rubrica que avalizou o juiz que virou chacota nacional depois que todos desvendaram o real significado da Lava jato.

*Da redação

Compartilhe