BBC: Biden recebe dossiê recomendando suspensão de acordos com gov. Bolsonaro.

BBC: Biden recebe dossiê recomendando suspensão de acordos com gov. Bolsonaro.

Compartilhe

No dia em que Bolsonaro faz um elogio ao agronegócio na Câmara e pede agilidade ao Congresso para aprovação da invasão de terras indígenas por mineradoras e a liberação indiscriminada do porte de armas e munições, uma bomba cai na cabeça do genocida tropical.

Talvez por isso, Biden, quando perguntado se conversará com Bolsonaro, tenha respondido com um sorriso de deboche.

Biden que, em debate com Trump, mostrava as travas da chuteira para Bolsonaro, recebe agora um dossiê que cobra dele medidas duras de retaliação contra o governo Bolsonaro, como segue abaixo matéria da BBC:

O documento surge em momento de intensa expectativa sobre os próximos passos da relação entre Brasil e Estados Unidos sob o governo de Biden e da vice-presidente Kamala Harris

Quatro meses depois de fazer críticas públicas contra o desmatamento no Brasil, o presidente Joe Biden e membros do alto escalão do novo governo dos EUA receberam nesta semana um longo dossiê que pede o congelamento de acordos, negociações e alianças políticas com o Brasil enquanto Jair Bolsonaro estiver na Presidência.

O documento de 31 páginas, ao qual a BBC News Brasil teve acesso, condena a aproximação entre os dois países nos últimos dois anos e aponta que a aliança entre Donald Trump e seu par brasileiro teria colocado em xeque o papel de “Washington como um parceiro confiável na luta pela proteção e expansão da democracia”.

“A relação especialmente próxima entre os dois presidentes foi um fator central na legitimação de Bolsonaro e suas tendências autoritárias”, diz o texto, que recomenda que Biden restrinja importações de madeira, soja e carne do Brasil, “a menos que se possa confirmar que as importações não estão vinculadas ao desmatamento ou abusos dos direitos humanos”, por meio de ordem executiva ou via Congresso.

A mudança de ares na Casa Branca é o combustível para o dossiê, escrito por professores de dez universidades (9 delas nos EUA), além de diretores de ONGs internacionais como Greenpeace EUA e Amazon Watch.

*Da BBC

 

Compartilhe