NEGACIONISMO: Bruno Covas nega 2ª onda e fala em estabilidade para não atender pedido de lockdown feito por infectologistas.

NEGACIONISMO: Bruno Covas nega 2ª onda e fala em estabilidade para não atender pedido de lockdown feito por infectologistas.

Compartilhe

Enquanto a Europa pena com a segunda onda da pandemia de covid-19, em muito casos entrando em lockdown, por aqui, na cidade de São Paulo, onde o prefeito tucano Bruno Covas disputa o segundo turno com Guilherme Boulos (PSOL), se aborda o grave problema que se avizinha, apenas como estabilidade em internações.

Há, claramente, um intuito eleitoral em adiar por 15 dias as medidas necessárias para combater o crescimento descontrolado de internações, casos e mortes. O lockdown, ou qualquer medida de fechamento afastamento social é muito mal visto pela população e poderia causar forte desgaste do prefeito, levando à virada na corrida eleitoral que ocorrerá no domingo que vem.

Covas fala em que não se extremista, quando na verdade, negar a ciência é um ato de extremistas, como seu próprio companheiro de outros pleitos, o presidente Jair Bolsonaro. Ou seja, negar uma segunda onda, não a impedirá de ocorrer e a conta virá após o domingo eleitoral.

“Aqui não há espaço para nenhum discurso extremista, é preciso manter os cuidados, mas não há nenhum número que indique necessidade de lockdown como alguns vem espalhando em fake news.” diss Bruno Covas.

O secretário municipal de saúde ainda emendou afirmando que a pandemia, em São Paulo e no Brasil, é diferente do resto do mundo, para defender que não estamos na segunda onda.

“O comportamento da pandemia em São Paulo e no Brasil é diferente do que foi no resto do mundo, ainda estamos no primeiro processo, com variações constantes de óbitos e internações. Não dá para dizer que estamos em uma segunda onda. Afirmou Edson Aparecido.”

Especialistas divergem do prefeito, inclusive o infectologista David Uip, que mesmo não havendo ainda a confirmação do início de uma segunda onda, há a necessidade implementação de medidas para conter a pandemia, já que os números voltaram a subir. Uip é ex-secretário de saúde de Bruno Covas e se afastou após ser infectado por covid-19.

Já para o pesquisador Domingos Alves, responsável pelo LIS (Laboratório de Inteligência em Saúde) da Faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo), em Ribeirão Preto, o Brasil já está na segunda onda, assim como Europa e Estados Unidos. Sua avaliação se baseia na evolução da taxa de reprodução (Rt) do coronavírus no país, que indica que a pandemia voltou a crescer por aqui, indicando o início de uma segunda onda.

Compartilhe

One thought on “NEGACIONISMO: Bruno Covas nega 2ª onda e fala em estabilidade para não atender pedido de lockdown feito por infectologistas.

  1. Reply
    João+Custódio+Vieira+Filho
    novembro 19, 2020 at 1:26 pm

    SP fez todas as prevenções para o enfrentamento do Coronavirus, chegou a construir hospitais de campanha. Aumento o número de leitos em UTIs. O quadro é de estabilidade no momento. Se aumentar os casos, novas medidas deverão ser tomadas. Acho simples essa posição.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: