Vitória de Biden/Kamala é um problema para Bolsonaro, já que são avessos aos seus crimes na Amazônia.

Vitória de Biden/Kamala é um problema para Bolsonaro, já que são avessos aos seus crimes na Amazônia.

Compartilhe

Ora, até o mais boboca dos bobocas sabe que Bolsonaro quer praticar equitação vampírica na Amazônia na garupa do garimpo ilegal, dos grileiros, madeireiros e outros bandoleiros que se meteram na Amazônia para solapar a floresta e, junto, exterminar indígenas e quilombolas.

Quem se esquece de Bolsonaro arrancando gargalhadas de um público tão vil quanto ele no Clube da Hebraica anunciando sua política segregacionista aos negros, aos quilombolas e aos índios? Um claro manifesto racista para o qual o STF fez vista grossa, boca de siri, num ato vergonhoso de proteção ao fascismo tropical para não prejudicá-lo na eleição quando ele deveria ter sido preso.

O jogo de Bolsonaro na Amazônia é pesado e mostrou, logo de cara a que veio, assim que assumiu o governo promovendo o dia do fogo que assombrou o planeta, uma guerra declarada de Bolsonaro não só ao meio ambiente, mas do uso legal das terras. Seus jagunços querem uma exploração total do território, inclusive em terras assentadas pelos povos do floresta.

Por isso, Bolsonaro não só afrouxou a fiscalização na região, mas acabou com ela.

E o que Biden e Kamala disseram sobre Bolsonaro?

Biden afirmou que, “se eleito, irá reunir, junto com outros países, US$ 20 bilhões para garantir a preservação da Amazônia, e afirmou que haverá “consequências econômicas significativas caso o desmatamento continue”.

Claro que a proposta de Biden provocou a ira do filho das sombras que, por sua vez, classificou a crítica frontal de Biden como lamentável, desastrosa e gratuita, numa série de postagens no twitter com críticas ao presidente eleito dos EUA.

Mas não foi só isso, Kamala Harris, a vice de Biden, também criticou Bolsonaro e, de antemão, já se opõe a acordos com o Brasil, sendo taxativa:

“As queimadas na Amazônia afetam toda a população mundial e Bolsonaro deve responder por isso”, conclui a feroz crítica contra Bolsonaro, comparando Bolsonaro a Trump e afirmando categoricamente “que os EUA não devem negociar com Bolsonaro”.

E Kamala segue: “enquanto a Amazônia queima, Bolsonaro deixa madeireiros e mineradores destruírem a terra, numa política catastrófica que precisa ser revertida e resolva de uma vez só o problema das queimadas. E o presidente Bolsonaro tem que responder por essa devastação, porque, além da Amazônia gerar mais de 20% do oxigênio do mundo, é o lar para 1 milhão de indígenas.”

Ou seja, a vitória de Biden e Kamala significa o fim das molecagens de Bolsonaro. Daí a negativa dele em aceitar a vitória dos democratas nos EUA. Além disso, Bolsonaro, dobrando a aposta no enfrentamento ao governo Biden, da noite para o dia, criou um decreto para expulsar as ONGs da Amazônia, o que mostra que, em nome da pátria particular do clã Bolsonaro, prefere produzir uma tragédia com sanções que podem jogar o país no caos para não perder o que, para a família Bolsonaro, é a joia da coroa, a pilhagem familiar utilizando laranjas tanto no território amazônico, quanto do pantanal, para quem já produziu mais 160 mil mortes de brasileiros por covid-19, inviabilizar o Brasil no mundo, é sopa no mel.

Carlos Henrique Machado Freitas

 

Compartilhe