Wall Street Journal: Zuckerberg manda Facebook favorecer sites de direita e prejudicar sites de esquerda

Wall Street Journal: Zuckerberg manda Facebook favorecer sites de direita e prejudicar sites de esquerda

Compartilhe

Para nós do Antropofagista, que sentimos na pele essa manipulação do Facebook, não há espanto ou qualquer novidade. Sabemos há algum tempo que isso estava ocorrendo conosco, tal a agressividade da manipulação para tornar nossas postagens no Facebook invisíveis.

Dia desses, um executivo do Facebook saiu da empresa atirando: Thiel relatou que ficou inconformado com a decisão do Facebook de não excluir um vídeo de uma live de Bolsonaro que contrariava a política da própria rede social, que proíbe discurso desumanizador.

No vídeo, gravado em janeiro de 2020, Bolsonaro diz que “cada vez mais, o índio é um ser humano igual a nós“.

Agora, numa ampla reportagem, The Wall Street Journal aponta como as relações políticas do presidente do Facebook com o esquema Trump e a direita têm se aprofundado e como as mudanças de algoritmos têm sido feitas para prejudicar sites e iniciativas progressistas, de esquerda.

Segundo o jornal, o Facebook faz mudanças em seu algoritmo do feed de notícias desde 2017 para reduzir a visibilidade de sites de notícias de esquerda como Mother Jones em sua plataforma. Mark Zuckerberg aprovou pessoalmente os planos.

Segundo a reportagem, Zuckerberg tornou-se “um operador político ativo”. Ele tem jantado com Trump, conversa regularmente com o conselheiro sênior da Casa Branca, Jared Kushner, e pressionou legisladores e autoridades a atacarem rivais como a TikTok e a Apple Inc., “disseram pessoas envolvidas nas discussões”, segundo a reportagem.

Ainda segundo a reportagem, “Zuckerberg mantém uma linha aberta com Kushner, genro do presidente e conselheiro sênior. Os dois às vezes discutem as políticas do Facebook no WhatsApp”.

Zuckerberg chegou a dar uma palestra para executivos do Facebook sobre a necessidade de a empresa entender que “sua base de usuários é mais conservadora e defendeu as decisões de não remover postagens de Trump sobre as quais alguns funcionários argumentam que violam as regras do Facebook”.

Acrescentam os jornalistas: “a posição de Zuckerberg alienou democratas proeminentes e ativistas dos direitos civis e frustrou muitos dentro do Facebook – incluindo, às vezes, a diretora de operações Sheryl Sandberg, dizem pessoas familiarizadas com a dinâmica”.

Há uma crise na relação entre o Partido Democrata e o Facebook por conta das posições de seu presidente: “O gerente de campanha de Biden, no mês passado, enviou ao CEO uma carta, chamando o Facebook de ‘o principal propagador de desinformação do país sobre o processo de votação’” -escreveram os jornalistas do WSJ.

Favorecimento a sites de direita
Diz o WSJ: “Zuckerberg também estabeleceu laços com editoras de direita que impulsionam o engajamento na plataforma, incluindo Ben Shapiro, co-fundador do Daily Wire e apoiador do Trump, dizem pessoas familiarizadas com o assunto. O site de notícias conservador foi denunciado repetidamente pelos verificadores de fatos do Facebook por compartilhar falsidades e distorções. Mas é frequentemente um dos mais populares na plataforma com base nas interações do usuário, de acordo com CrowdTangle, uma ferramenta de análise de propriedade do Facebook.

Zuckerberg convidou Shapiro para jantar em sua casa no ano passado, disseram as pessoas. Embora os dois não sejam amigos, eles às vezes discutem temas políticos e filosóficos.

Algoritmos contra esquerda
“No final de 2017, quando o Facebook ajustou seu algoritmo do feed de notícias para minimizar a presença de notícias políticas, os executivos de política estavam preocupados com o impacto descomunal das mudanças na direita, incluindo o Daily Wire, disseram pessoas familiarizadas com o assunto. Os engenheiros redesenharam as mudanças pretendidas para que sites de esquerda, como Mother Jones, fossem afetados mais do que o planejado anteriormente, disseram as pessoas. O Sr. Zuckerberg aprovou os planos.

(…) Alguns na esquerda acreditam que Zuckerberg tem sido menos complacente com sites de notícias que promovem uma agenda progressista.

Após o lançamento do Courier Newsroom no ano passado, uma rede de oito sites de notícias locais progressistas que é parcialmente propriedade de uma organização sem fins lucrativos de esquerda com laços estreitos com doadores democratas, Zuckerberg argumentou que o Courier não era um meio de comunicação real, dadas suas conexões políticas, de acordo com pessoas familiarizadas com seus pontos de vista.

A discussão desencadeou uma nova política no Facebook em agosto que limita o alcance de sites apoiados por partidários, bloqueando a inclusão de suas páginas no Facebook News, restringindo seu acesso às plataformas do Facebook Messenger e WhatsApp e reduzindo sua publicidade.

A organização sem fins lucrativos por trás do Courier Newsroom, chamada Acrônimo, criticou a política, dizendo que favorece as fontes conservadoras de notícias.

Zuckerberg também começou a se reunir com grupos progressistas, cujos líderes argumentaram que se ele estava desenvolvendo relacionamentos pessoais com conservadores como Shapiro, ele deveria ouvir o outro lado também. As conversas não correram bem”.

*Com informações do 247

 

Compartilhe