Lei que libertou líder do PCC é obra da Globo, com assinatura de Moro, sancionada por Bolsonaro e fez essa turma morder o próprio rabo.

Lei que libertou líder do PCC é obra da Globo, com assinatura de Moro, sancionada por Bolsonaro e fez essa turma morder o próprio rabo.

Compartilhe

Enquanto a alucinação lavajatistas e punitivista domina a mídia, em ataques grosseiros contra Marco Aurélio Mello, a falta de senso de ridículo toma conta de muitos nas redes sociais. Hoje, é comum encontrar pessoas da esquerda e da direita afirmando que a lei não deveria ser cumprida. Tudo isso, fruto da forma como se concebeu a justiça após o mensalão, domina muitos que pensam mais com o fígado e intestino, que com o cérebro.

Notemos os fatos. A Lava Jato, que se tornou um monstro que devorou o Brasil, chegou a esse ponto, não por acaso, com a construção da mídia. Sérgio Moro, o paladino lavajatista, então, após prender o ex-presidente Lula e dar a presidência a Bolsonaro, ascende ao ministério da Justiça, como um justiceiro.

Uma vez no cargo, seu primeiro projeto era a tal grande lei anticrime, que salvaria o Brasil das mazelas e da corrupção. A proposta, então, aprovada no congresso transformava a prisão preventiva limitada em 90 dias.

É óbvio que naquele momento, os abusos da Lava Jato e do Senhor Sérgio Moro, já estava na mira dos parlamentares. Portanto, a lei seria aprovada com a limitação da prisão preventiva, em resposta aos abusos de quem? Do próprio Sérgio Moro, autor da lei.

Aprovada no congresso, a lei seguiu ao grande líder do bananistão, Jair Bolsonaro, que sansionou a lei. Bingo! A criação da mídia estava parida por Moro e samsionada por Bolsonaro. Então, André do Rap, líder do PCC é seu advogado compreenderam dessa maneira, que a lei só retroage em favor do réu e entrou com um pedido de habeas-corpus, reconhecendo o direito do fim da prisão preventiva que cumpria há mais de 90 dias. Marco Aurélio Mello apenas reconheceu o direito previsto em lei, uma vez que a justiça não olha a quem é previsto o direito, mas, o direito em si.

A mídia passou então, a reagir em ataque a Marco Aurélio, em favor Luiz Fux, por uma lei que ela mesma ajudou a criar. Os bolsonaristas, na mesma onda, também caíram na mesma silada, mordendo o próprio rabo, já que Bolsonaro sansionou a tal lei e Sérgio Moro foi falar na Globo, declarando ser contra a própria lei que propôs e agora, quer alterá-la. Engraçado, não?!

Enquanto a alucinação lavajatistas e punitivista domina a mídia, em ataques grosseiros contra Marco Aurélio Mello, a falta de senso de ridículo toma conta de muitos nas redes sociais. Hoje, é comum encontrar pessoas da esquerda e da direita afirmando que a lei não deveria ser cumprida. Tudo isso, fruto da forma como se concebeu a justiça após o mensalão, domina muitos que pensam mais com o fígado e intestino, que com o cérebro.

Notemos os fatos. A Lava Jato, que se tornou um monstro que devorou o Brasil, chegou a esse ponto, não por acaso, com a construção da mídia. Sérgio Moro, o paladino lavajatista, então, após prender o ex-presidente Lula e dar a presidência a Bolsonaro, ascende ao ministério da Justiça, como um justiceiro.

Uma vez no cargo, seu primeiro projeto era a tal grande lei anticrime, que salvaria o Brasil das mazelas e da corrupção. A proposta, então, aprovada no congresso transformava a prisão preventiva limitada em 90 dias.

É óbvio que naquele momento, os abusos da Lava Jato e do Senhor Sérgio Moro, já estava na mira dos parlamentares. Portanto, a lei seria aprovada com a limitação da prisão preventiva, em resposta aos abusos de quem? Do próprio Sérgio Moro, autor da lei.

Aprovada no congresso, a lei seguiu ao grande líder do bananistão, Jair Bolsonaro, que sancionou a lei. Bingo! A criação da mídia estava parida por Moro e sancionada por Bolsonaro. Então, André do Rap, líder do PCC é seu advogado compreenderam dessa maneira, que a lei só retroage em favor do réu e entrou com um pedido de habeas-corpus, reconhecendo o direito do fim da prisão preventiva que cumpria há mais de 90 dias. Marco Aurélio Mello apenas reconheceu o direito previsto em lei, uma vez que a justiça não olha a quem é previsto o direito, mas, o direito em si.

A mídia passou então, a reagir em ataque a Marco Aurélio, em favor Luiz Fux, por uma lei que ela mesma ajudou a criar. Os bolsonaristas, na mesma onda, também caíram na mesma cilada, mordendo o próprio rabo, já que Bolsonaro sancionou a tal lei e Sérgio Moro foi falar na Globo, declarando ser contra a própria lei que propôs e agora, quer alterá-la. Engraçado, não?!

Compartilhe

One thought on “Lei que libertou líder do PCC é obra da Globo, com assinatura de Moro, sancionada por Bolsonaro e fez essa turma morder o próprio rabo.

  1. Reply
    Rogério de Freitas
    outubro 13, 2020 at 5:48 pm

    Já vi diversos comentário sobre este fato inclusive que era uma coisa arquitetada para força aprovação da pec da prisão em segunda instância no congresso.
    Com tudo isso penso que o prejuízo ficou para imagem de Marco Aurélio. O povo dificilmente irá conseguir compreender que ele apenas foi obediente às leis criadas por aqueles lavajateiros que sempre abusaram das leis.
    Veja só para os amigos do rei tudo para os inimigos ferro e fogo.
    Hoje os grandes criminosos cantam de galo com este governo aliado a miliciano bandidos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: