Rejeição de Crivella inviabiliza reeleição, inclusive entre os evangélicos.

Rejeição de Crivella inviabiliza reeleição, inclusive entre os evangélicos.

Compartilhe

A má avaliação da gestão do prefeito Marcelo Crivella (Republicanos) se reflete mesmo entre o eleitorado evangélico, segmento religioso no qual Crivella sempre lastreou suas votações. Contrariando a tendência histórica de seu desempenho eleitoral, o prefeito hoje tem uma rejeição maior do que suas intenções de voto entre os protestantes.

De acordo com a última pesquisa do pesquisa Datafolha —divulgada nesta quinta-feira (8)—, 41% dos evangélicos entrevistados não votariam em Crivella no primeiro turno em nenhuma hipótese. Já 28% dos eleitores que professam esse credo religioso declaram voto no prefeito, que é bispo licenciado da Iurd (Igreja Universal do Reino de Deus).

A rejeição de Crivella entre os evangélicos é a maior entre todos os candidatos, segundo o levantamento —o índice está numericamente à frente de Eduardo Paes (DEM), que tem 39% das menções nesse segmento religioso. A diferença entre os dois candidatos fica dentro da margem de erro da pesquisa, que é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos.

Em 2016, cenário de Crivella cerca de um mês antes do primeiro turno era radicalmente diferente: segundo o Datafolha, o prefeito tinha 53% das intenções de voto entre evangélicos pentecostais e 35% entre não pentecostais. Sua rejeição entre esses dois grupos religiosos era, respectivamente, de 7% e 11%.

A deterioração de sua base de apoio evangélica faz com que Crivella já se veja pressionado por adversários. O prefeito ainda lidera no segmento, mas vê Eduardo Paes marcar 19% das intenções de voto entre os fiéis, enquanto Martha Rocha (PDT) tem 10%.

*Com informações do Uol

Compartilhe