Frederick Wassef, o homem que sabe demais

Frederick Wassef, o homem que sabe demais

Compartilhe

Enquanto a vida de milhões de trabalhadores desempregados é ignorada por Bolsonaro e o Brasil assiste a pobreza se alastrar, assim como a pandemia causando a morte de mais 124 mil pessoas, ele se preocupa com as causas pessoais ligadas ao submundo do crime. Um território em que é perpetrado um regime de mentiras, extorsões e picaretagens.

E é nisso que o presidente da República está metido até o pescoço.

Se Bolsonaro não responde por que Queiroz depositou R$ 89 mil na conta de Michelle, Frederick Wassef, o advogado do clã que, a pedido do chefe, escondeu Queiroz em sua casa em Atibaia, responde e sabe muito mais, segundo o próprio, que deixa vazar para a mídia que tem um arsenal de conversas gravadas com Bolsonaro, capaz de jogar pelos ares o capitão de milícia que ocupa o Palácio do Planalto.

Assim, como vive com a faca do mercado na nuca, Bolsonaro é refém não só de Queiroz, mas também do advogado da família, que tinha, entre outras atribuições típicas de um advogado de porta de delegacia, isolar Queiroz, afastando-o o máximo possível dos holofotes da mídia e, sobretudo, da justiça.

Em contrapartida, obtém, através de familiares laranjas, contratos milionários com o Palácio do Planalto, o que mostra mais do que seu poder de barganha, mas uma força explosiva que Wassef tem com a coleção de gravações de conversas suas com Bolsonaro.

O Anjo custa muito mais caro aos cofres públicos do que se imagina e ele sabe como ninguém usar a mídia para mostrar os dentes para Bolsonaro quando não é atendido naquilo que quer e no tempo que quer.

É o que está acontecendo agora quando Wassef vaza para a imprensa seu poder de fogo.

*Carlos Henrique Machado Freitas

Compartilhe