Bolsonaro usa a presidência para copiar as manobras de Cunha e como ele terminará

Bolsonaro usa a presidência para copiar as manobras de Cunha e como ele terminará

Compartilhe

Aqui não será feito um retrospecto sobre a vida e obra de Cunha. Todos sabem a história e o destino do político mais vigarista da história que foi quem conduziu o golpe contra Dilma, em parceria com Aécio, Temer e a escória política, empresarial e judicial do país.

Mas terminou como terminou, coisa que muitos duvidaram que aconteceria. O que parece ser o novo normal no Brasil são as manobras de Bolsonaro para livrar Flávio da cassação e da cadeia, o que significaria a queda de Bolsonaro e sua consequente prisão.

O grande problema de Bolsonaro é justamente ter entrado no modo Cunha, que já havia perdido completamente o controle político da sua situação e usava a presidência da Câmara para manobrar, o que dava a ele uma falsa de imagem de intocável, até que Teori Zavascki o afastou da presidência, foi cassado e, em seguida, condenado e preso.

Quando se lê os jornais, observa-se que são manobras e mais manobras, mas Bolsonaro já pode ser considerado um peru de natal, não só suas ações para tirar o clã das garras da justiça ficaram descaradas e cotidianas, como pipocam declarações aqui, ali e acolá dentro do próprio judiciário que vão temperando sua queda, como quem tempera um peru para entrar no forno.

O último episódio que envolve a queda de Witzel e a troca de gentilezas entre os corruptos Flávio Bolsonaro e Claudio Castro que assumiu a cadeira de Witzel, tão enrolado com a justiça como o próprio governador afastado, escancara que não só acabou a vergonha dessa gente, como perdeu a noção da realidade. numa mistura de “deixa arder” com “comigo ninguém pode”.

O objetivo, todos sabem, é no final do ano Bolsonaro indicar o Procurador Geral do Estado que substituirá o atual que cuida do caso de Flávio e a organização criminosa do clã.

E é nesse momento que o clã se prepara para cair do cavalo e se transformar no prato principal da ceia de natal, exatamente como ocorreu com Cunha.

Lembrando que o mesmo centrão que segurou o Cunha, enquanto tinha poder, o abandonou na hora H e não hesitará em fazer o mesmo com Bolsonaro, quando este cair em desgraça.

Como se observa no twitter de Claudio Castro, essa gente perdeu a vergonha de barganhar proteção escancarada, ao vivo e a cores, em pleno sol do meio-dia.

*Carlos Henrique Machado Freitas

Compartilhe