A corrosão acelerada do lavajatismo e do bolsonarismo

A corrosão acelerada do lavajatismo e do bolsonarismo

Compartilhe

Se quem rezava pela cartilha de Moro e de Bolsonaro, hoje, tromba de frente com ex-aliados, seja a granel ou no atacado, isso só revela que a onda fascista que varreu o país está sorumbática.

A Globo, que ainda mantém os olhos parados, recordando os tempos do castelo de cartas da Lava Jato que ela montou junto com Moro, agora desmoronando, agora assiste tanto às denúncias contra Bolsonaro quanto à queda de Witzel com um sorriso amargo, porque sabe não tem como quebrar a imagem de uma corrente que, numa campanha antipetista promovida pelos Marinho, desembocou nesse estado de coisas.

Lógico que a Globo quer separar o joio do joio, Moro de Bolsonaro, assim como a Lava Jato de Witzel, o que é absolutamente impossível, já que Bretas é padrinho político de Witzel e Moro prendeu Lula para eleger Bolsonaro e se tornar ministro. Um está amarrado no rabo do outro por uma única razão, PODER.

A mesma ambição de poder, hoje, faz o Meritíssimo juiz ser afastado do governo do Rio de Janeiro por suposto desvio de dinheiro e, além de tudo é acusado de traição pelos bolsonaristas. Já Bretas, que fez um estardalhaço em sua comemoração da eleição de Witzel e de Bolsonaro, hoje, está comendo milho grosso, porque não sabe que papel deve cumprir nessas guerras familiares em que as primeiras-damas, do estado do Rio e da presidência da República, transformaram-se em verdadeiras mulheres-bomba, assim como a mulher de Queiroz, que não só depositou na R$ 89 mil conta de Michelle, como fez uma série de depósitos na conta da esposa de Flávio Bolsonaro.

O que não se pode esquecer são as acusações que pesam sobre Rosângela Moro de usar o seu escritório de advocacia para fazer grandes negócios com advogados incumbidos de conduzir as delações na Lava Jato.

Agora, todos os acusados dizem que é fofoca de Dona Maricota, inclusive a Globo, sobre a acusação que lhe pesa nas costas, vinda da delação de Dario Messer, o doleiro dos doleiros.

E não há qualquer incoerência nessa escumalha que deu no bolsonarismo, porque dos aqui citados, ninguém presta e, em termos de fisiologismo, são absolutamente esplêndidos, mas aquela alegria que reinava no meio dessa podridão, assim que Bolsonaro e Witzel foram eleitos pelo bolsonarismo lavajatista, deu lugar a uma erosão irreversível que, se ainda não chegou na cabeça do rei, os ratos da casa, que estão sendo denunciados diuturnamente pelo MP-RJ, vão derrubar a coroa do genocida, numa das degolas mais espetaculares da história da República.

A conferir.

*Carlos Henrique Machado Freitas

 

Compartilhe