Fábio St Rios

Estudou Ciência da Computação, Engenharia Metalúrgica na UFF, Engenheiro de Software, Desenvolvedor, Programador, Hacketivista e Estudante de História na UniRio.

5 comentários em “TRF-4 EMITE NOTA EM DEFESA DOS DESEMBARGADORES QUE TERIAM VIOLADO LEIS PARA MANTEREM LULA PRESO.

  • 13/08/2018 em 15:51
    Permalink

    No minimo Juiz (a) ou Ministro (a) que não cumpre a constituição/88 deve ser afastado da função pública imediatamente: Vemos que a solução no Ocidente na gestão pública são os “partidos de esquerda” que crescem no mundo inteiro e no Brasil isto também vem acontecendo pois onde governam fazem gestão pública competente e com honestidade atendendo os anseios da maioria. Parabéns com um abraço a todos partidos de esquerda por todo Brasil e no mundo. E em especial nas Américas o representante das esquerdas é honesto e estadista ímpar ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (Lula).

    Resposta
    • 13/08/2018 em 22:04
      Permalink

      Um magistrado, antes de tudo, tem que prezar pelo bem estar da nação. Não cabe imaginar que um bandido ganhe liberdade em detrimento de um movimento orquestrado por comunistas. O mesmo direito haveria de ser dado a outros condenados de igual ou menor periculosidade. Já vivemos uma violência sem limites no Brasil. Basta!

  • 13/08/2018 em 16:04
    Permalink

    Não podia se esperar outra coisa o chefe da quadrilha vai sempre defender os atos de todos os membros da quadrilha foda-se a constituição e leis se o quadrilheiro agiu em favor do capital e dos EUA.
    e contra o Lula e o PT.

    Resposta
  • 13/08/2018 em 19:24
    Permalink

    São os “justiceiros” da Lava Jato, agora na defesa, e assim tem que ser até a vitória de LULA-HADDAD-MANUELA ! NÃO VAMOS NOS DISPERSAR, BOICOTE TOTAL ÀS ORGANIZAÇÕES GLOBO, ESTADÃO FOLHA DE SÃO PAULO !

    Resposta
  • 13/08/2018 em 20:35
    Permalink

    Um desembargador de plantão é autoridade máxima no mento do plantão. No caso de um habeas corpus, a medida deveria ser cumprida. O tribunal não estava reunido. Logo, a medida teria de ser cumprida pela parte a quem ela se destinava. Havendo manifestação do Ministério Publico, a medida poderia ser derrubada, mas não por ocasião do plantão. O plantonista, no momento, é instância máxima para decidir. Por outro lado, o processo já tinha saído da competência do Juiz Sergio Moro e passou para competência da Vara de Execuções Criminais. Não cabia, portanto, nenhuma manifestação do Juiz Moro. Da mesma forma, por duas vezes, desembargado plantonista mandou cumprir o Habeas corpus e não foi cumprido. Logo, evidente que houve atropelamento de instância. Quem saiu chamuscado com essas ordens de contra ordens foi o judiciário. Bastavam esses desembargadores leem a Constituição Federal e os códigos de Processo Civil e Penal. São claros.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
%d blogueiros gostam disto: