USP QUER EXPULSAR ALUNOS POR DECRETO EDITADO PELA DITADURA: Teriam violado a “moral e os bons costumes”.

A Universidade de São Paulo (USP) abriu processo administrativo contra três alunos que prevê a expulsão por decreto de 1972, que obriga o cumprimento de atitudes baseadas na “moral de nos bons costumes”. Em outras palavras, os estudantes realizaram protesto, o que é proibido desde a ditadura militar no campus da USP.


As manifestações foram realizadas durante a Greve Geral contra as reformas trabalhistas, no dia 28 de maio deste ano. Na ocasião, por volta das 11:30 da manhã, os estudantes caminharam em direção à Reitoria, com vistas em ocupá-la. A Polícia Militar, interveio, com sua gentileza costumeira, e a tropa de choque iniciou a agressão com balas de borracha, jatos de água, bombas de efeito moral, spray de pimenta e gás lacrimogêneo.

Leia Também:   CASO DA ESCOLA DE GOIAS É UM ALERTA PARA NÃO LIBERAÇÃO DO PORTE DE ARMAS.

Segundo a estudante Gabriela Schmidt, os alunos dispersaram em correria e os PMs em motos passaram a perseguir os alunos. Então, os alunos buscaram se refugiar dos policiais motorizados em um local de convivência estudantil, conhecido como “Prainha”, onde quebraram o cadeado para ter acesso ao local. A universidade está cobrando os três alunos pelos danos no local.

Na dispersão, o estudante Gabriel Martins, que tocava tambor na manifestação, foi fortemente agredido e arrastado pelos cabelos até a viatura da PM, permanecendo detido. Além de Gabriel, Daniela Schmidt e Marcos Pomar foram presos e enquadrados por lesão corporal e resistência à prisão.

O reitor Marco Antônio Zago, não eleito diretamente e nomeado pelo governo Alckmin, utilizou como argumentação as seguintes normas:

Leia Também:   Movimentos Sociais se mobilizam contra a entrega da Base de Alcântara e a violação absurda da soberania nacional

IV – praticar ato atentatório a moral ou aos bons costumes;

VII – perturbar os trabalhos escolares bem como o funcionamento da administração da USP;

VIII – promover manifestação ou propaganda de caráter político-partidário, racial ou religioso, bem como incitar, promover ou apoiar ausências coletivas aos trabalhos escolares;

Portanto, um reitor não eleito usou uma argumentação de um decreto da Ditadura Militar, que aborda o “MORAL E OS BONS COSTUMES”. Os retrocessos não param.

Fábio St Rios

Cientista da Computação, Engenheiro de Software, Programador Senior, Profissional da Segurança de Dados e Estudante de História.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três × 1 =

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com